Fitoenergética

Fitoenergética, segundo definição oficial, é um “sistema natural de cura, equilíbrio e elevação da consciência que, através da energia das plantas (fitoenergia), ajuda no equilíbrio das emoções e pensamentos que, quando estão em desequilíbrio, são os reais causadores das doenças”.

Em outros termos, podemos afirmar que a Fitoenergética é uma terapia que traz mais discernimento sobre nossas emoções, além de simultaneamente tratar sintomas que estão manifestados em nossos corpos. Qualquer doença pode ser tratada com a Fitoenergética – isso mesmo, não há uma só que fique de fora, seja de ordem física, emocional ou mental.

Isso porque a Fitoenergética não trata unicamente a doença, mas sim o doente, de modo integral (holístico). É por isso que quando me procuram para tratar alguma mazela, como enxaqueca crônica, por exemplo, eu não tenho um tratamento pronto para entregar, como um analgésico natural. Definitivamente não é assim que funciona. Primeiro preciso conhecer a pessoa, fazer uma entrevista, avaliar os centros de energia – ou chakras (estou devendo uma postagem sobre isso) e só então fazer a montagem do composto, abrangendo todos os aspectos que estão em desequilíbrio. Dessa forma, se duas pessoas chegarem até mim com uma mesma doença, os tratamentos serão diferentes, individualizados, pois possivelmente o que originou aquele mal tem razões diversas nas histórias de cada uma.

O responsável por catalogar as 118 ervas contidas neste sistema é o químico industrial, pesquisador, palestrante, terapeuta e escritor Bruno J. Gimenes. Há mais de 15 anos ele estuda o poder oculto das ervas e conta mais sobre isso em seu livro:

livro-fitoenergetica

O modo de preparo de um tratamento fitoenergético é diferente do fitoterápico, pois não há necessidade de ferver água ou de colocar grande quantidade de plantas – apenas a energia é utilizada, e não os ativos químicos. Sendo assim, também não ocorrem efeitos adversos e qualquer pessoa pode usar, desde gestantes a lactantes e alérgicos em geral. Os chás são praticamente incolores, mesmo que haja na mistura mais de 10 tipos de ervas, isso porque a quantidade é bem pequena mesmo. Além disso, para quem tem aversão a chás, esse sistema oferece outras maneiras de uso, como sachês, sprays, banhos, essências entre outras.

 

 

*Luiza D Paula, fitoterapeuta formada pela Escola Luz da Serra
*texto adaptado de Bruno Gimenes e Patrícia Cândido